Blog de Tec

Nada que é digital nos é estranho

 -

O blog é uma extensão da cobertura sobre tecnologia e internet publicada na Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

App de paquera promete mostrar se alguém faz seu coração bater mais forte (mesmo)

Por Felipe Maia
Aplicativo de paquera Once, que sugere um pretendente por dia
Aplicativo de paquera Once, que sugere um pretendente por dia

Você já sentiu seu coração acelerar por causa de alguém? Sente palpitações só de olhar uma foto da (o) fulana (o)?

Pois bem, o aplicativo de paquera Once, que começou a funcionar no Brasil em dezembro e tem cerca de 150 mil usuários no país, quer usar essa informação para ajudar as pessoas a decidir se estão ou não interessadas no “crush”.

O app vai se integrar com a pulserinha Fitbit, que mede a atividade física, e relógios inteligentes com sistema operacional Android Wear, para monitorar o batimento cardíaco. A ideia é ver  como seu coraçãozinho reage ao ver a (o) pretendente pela primeira vez –no Once, você só recebe uma sugestão de paquera por dia, em uma escolha feita por um humano que trabalha para o aplicativo, e não por um algoritmo.

Com esses dados, ao ver o perfil, o usuário vai receber uma notificação como “parece que você gostou dele/dela” ou “wow, você gostou muito de dele/dela”.

Jean de Saint Michel, diretor de marketing da empresa para a América Latina, explica que a companhia vai coletar a informação para dar sugestões de pretendentes aos usuários. “É muito interessante poder fazer a diferencia entre ‘wow’ e ‘humm ok'”, diz ele.

Segundo o executivo, Michel usou bases científicas para desenvolver a ferramenta, mas especialistas ouvidos pela Folha foram um tanto reticentes em relação à efetividade dela. “Se o seu coração começar a disparar, melhor procurar um cardiologista”, brinca o psicólogo Ailton Amélio, professor da USP especializado em relacionamentos amorosos.

Ele diz que poucas pessoas têm uma resposta fisiológica tão forte, detectável, ao se interessar por alguém, ainda mais ao ver uma foto, “a não ser que seja o Brad Pitt”.

Amélio explica que só pessoas que têm o estilo de amor “eros”, mais concentrado na aparência física, da atração à primeira vista, poderiam sentir algo assim. “Para a maioria das pessoas, o interesse não é tão rápido.”

Blogs da Folha

Mais acessadas

Nada encontrado

Categorias

Publicidade
Publicidade
Publicidade