Blog de Tec

Nada que é digital nos é estranho

 -

O blog é uma extensão da cobertura sobre tecnologia e internet publicada na Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Golpe brasileiro no WhatsApp rouba dados pessoais prometendo descontos

Por Felipe Maia

WhatsApp alert_BRZ_Extra

Se você receber uma mensagem no WhatsApp dizendo que ganhou um cupom de desconto para algum supermercado brasileiro, tome cuidado.

A Kaspersky Lab, empresa russa de segurança digital, descobriu no fim de semana um golpe feito por brasileiros, que envia aos usuários da rede mensagens uma promoção falsa prometendo até R$ 500 de desconto nos mercados.

Nesse golpe, é preciso clicar em um link como http://bbit.ly/extracupom (já fora do ar), que leva a vítima para sites falsos das empresas.

O golpe começa no site. Ao preencher o cadastro, o usuário, na verdade, está oferecendo os próprios dados pessoais aos criminosos.

Depois, a página pede que a vítima indique dez amigos que também poderão participar da promoção e receber os descontos. Na verdade, essas pessoas serão as próximas a receberem a mensagem fraudulenta no WhatsApp.

Por fim, o site diz que a pessoa precisa ligar para um determinado número para ganhar o cupom de desconto. No entanto, se trata de um número premium, ou seja, que cobra pelas ligações feitas. Quanto mais tempo o usuário ficar na linha, maior vai ser o preço.

E, para segurar o usuário na ligação –e assim lucrar mais–, o golpe pede que a pessoa responda a um questionário com 25 perguntas.

WhatsApp alert_BRZ_Extra_site falso

 

Segundo a Kaspersky, golpes de “phishing”, como essa prática é chamada, são comuns no WhatsApp. No entanto, eram escritos em inglês ou espanhol, pois tinham como alvo a América Latina. Como diversas redes multinacionais também estão no Brasil, muitos brasileiros acabavam sendo vítimas.

“Essa campanha é diferente por algumas razões: foi criada por cibercriminosos brasileiros, é escrita em português, usa nomes de marcas locais e o alvo são usuários brasileiros do WhatsApp”, diz Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil.

“No lugar de solicitar a instalação de aplicativos maliciosos, os golpistas queriam coletar dados pessoais das vítimas e forçar chamadas para um número premium e assim lucrar com o golpe.”

Entre as dicas dadas pela Kaspersky para evitar o golpe está desconfiar de qualquer promoção via WhatsApp, não colocar dados verdadeiros na hora de preencher o cadastro nem fazer a ligação para o número premium.

Blogs da Folha