Blog de Tec

Nada que é digital nos é estranho

 -

O blog é uma extensão da cobertura sobre tecnologia e internet publicada na Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Assista ao streaming ao vivo de um peixe jogando ‘Pokémon’

Por João Vitor Oliveira

É isso mesmo que você leu.

Dois estudantes de tecnologia ligados à organização nova-iorquina HackNY colocaram no ar o projeto Fish Plays Pokémon, um streaming ao vivo na Twitch TV do peixinho Grayson jogando “Pokémon Red”.

Os estudantes criaram um mecanismo que traduz os deslocamentos da criatura pelo aquário em comandos para movimentar o protagonista durante a aventura.

No lado direito do vídeo, vemos o aquário que foi virtualmente dividido em nove quadrados de tamanho igual. Cada um deles corresponde a um comando do controle (esquerda, direita, botão A, start, etc.), e quando Grayson passa por uma das opções, ela é traduzida para o jogo que rola no lado esquerdo do player.

O projeto já teve mais de 1,6 milhão de acessos e, enquanto eu faço este post, cerca de 22 mil pessoas estão assistindo à aventura comandada pelo peixe

Grayson já escolheu o seu primeiro Pokémon, um Charmander que nomeou de “AAAABBK”, e derrotou o rival Squirtle na batalha inicial. Mas o progresso está “um pouco” travado: o peixe, que não parece gostar muito de se mexer, ainda não conseguiu sair da cidade de Pallet em mais ou menos 160 horas de jogo, .

Com isso em vista, os desenvolvedores pretendem criar um sistema em que os espectadores enviem um streaming ao vivo de seus próprios peixes, que seriam incluídos no controle do jogo.

Travado em uma parede, Grayson tenta mexer nas opções mas não encontra o botão A
Travado em uma parede, Grayson tenta mexer nas opções mas não encontra o botão A

Twitch Plays Pokémon

A iniciativa faz lembrar uma experiência semelhante realizada em fevereiro deste ano: o projeto Twitch Plays Pokémon, que chegou a reunir mais de 100 mil internautas em um jogo colaborativo para zerar “Pokémon Red”.

Um software específico criado por um programador australiano era capaz de reconhecer comandos publicados no bate-papo do site e executá-los no jogo.

Mas quando milhares de pessoas tentaram fazer isso ao mesmo tempo, a situação ficou um pouco caótica, resultando em uma verdadeira “experiência social”.

O jogo foi finalizado em 391 horas (cerca de 16 dias). A Folha fez uma reportagem sobre o fenômeno na época que você pode conferir neste link.

Blogs da Folha