Blog de Tec

Nada que é digital nos é estranho

 -

O blog é uma extensão da cobertura sobre tecnologia e internet publicada na Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Artista levanta discussão filosófica ao deixar você “roubar” identidade dele no Twitter

Por Anderson Leonardo

O artista multimídia Kyle McDonald está realizando uma experiência bem maluca em seu perfil no Twitter: ele quer que você se passe por ele e publique mensagens para seus seguidores.

Você já vai entender melhor. Está vendo o tuíte abaixo? Na teoria, ele pertence a McDonald —afinal, foi publicado pela conta dele. Mas vou lhe contar uma coisa e peço que confie cegamente em mim: na verdade, o autor do post sou eu.

“Esse meu experimento no Twitter é como ‘Quero ser John Malkovich’. Sim, vá ver esse filme”, escrevi, fazendo referência ao longa-metragem em que o protagonista, interpretado por John Cusack, descobre um portal para entrar na cabeça de um astro de cinema e controlar seus pensamentos.

Se você não estiver acreditando no que digo, sugiro que faça o teste. Vá até o perfil de McDonald (@kcimc) e siga o artista. Agora, envie uma DM [mensagem direta] para ele com um assunto qualquer. Só que adicione o sinal de semelhante (~) na frente de todo o texto.

No meu caso, portanto, ficou assim: ~This Twitter experience of mine is like “Being John Malkovich”. Yeah, go watch that movie.

Caso tudo dê certo, sua mensagem irá aparecer na linha do tempo de McDonald, como se houvesse sido postada por ele mesmo. (Aviso: tuítes de outras pessoas entram a cada dez minutos, portanto não se apresse ou desespere.)

O funcionamento disso é bem simples. Há pouco tempo, o Twitter passou a permitir que usuários trocassem DMs sem que ambos se seguissem. Kyle McDonald, então, criou um script que identifica e publica em seu perfil qualquer mensagem particular que contenha o sinal ~ no início.

Cena do filme ‘Quero ser John Malkovich'; portal leva para a cabeça de astro de cinema (Divulgação)

SER OU NÃO SER

Essa não é apenas uma forma de se divertir trocando de lugar com outro alguém. Pense em todas as implicações filosóficas sobre nossas identidades que isso traz. Eu sou eu? O que faz parte da nossa constituição? Será que almas existem?

Em seu site, o artista —que, por acaso, diz saber algumas coisas sobre filosofia— explica o conceito por trás do experimento:

“Há uma conexão estranha entre nosso ‘interior’ e nosso corpo. A ligação é presumida, pois é difícil de separá-los. Mas a única coisa que conecta nossa identidade à nossa persona virtual é o conhecimento de uma senha. O que acontece quando quebramos essa ligação e diluímos nossa identidade virtual?”

McDonald conta que foi o IPO (oferta pública inicial de ações) do Twitter que o motivou a colocar sua identidade na mão das massas.

Depois de tudo isso, se eu fosse você, questionaria até o autor deste post. Será que ele realmente se chama Anderson Leonardo? Ou é apenas um impostor se passando por ele?

Blogs da Folha