Blog de Tec

Nada que é digital nos é estranho

 -

O blog é uma extensão da cobertura sobre tecnologia e internet publicada na Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

“Jogue seu smartphone o mais alto possível” é a missão do game “Send Me To Heaven”

Por Anderson Leonardo
Montagem com captura de tela do “Send Me to Heaven” | Reprodução/Kotaku

Não se assuste se, em qualquer dias desses, você avistar uma pessoa na rua arremessando um smartphone para os céus deliberadamente. Ela pode estar se divertindo com o jogo “Send Me To Heaven” (“mande-me para o paraíso”, em tradução livre).

O game on-line, que chegou à loja de aplicativos do Google no domingo (4), desafia você a jogar seu aparelho o mais alto possível —e pegá-lo antes de se espatifar no chão, se possível.

A altura alcançada é registrada pelo celular, e o app faz o upload da sua pontuação para um ranking global, permitindo a você competir com outros jogadores em listas como “Os 10 melhores do mundo”, “Os 10 melhores da semana” e “Os 10 melhores do dia”.

Conclusão: o “Send Me to Heaven” é ótimo para quem possui reflexos apurados ou cultiva uma árvore de smartphones no quintal de casa. Dessa forma, a jogatina nunca é interrompida por motivos de destruição total.

Se você não se encaixa nas descrições acima, é melhor se ater a um game menos perigoso.

[youtube pXr84w1cWIU nolink]

O “S.M.T.H.” é apenas um dos aplicativos, digamos, exóticos criados pela Carrot Pop. No portfólio da equipe, encontram-se ainda o “iSCRM” (“Quanto melhor você grita, mais pontos faz”) e o “audioPNG”, uma versão do clássico “Pong”, na qual os jogadores controlam as raquetes com a voz ou com um instrumento musical.

OBS. 1: Para evitar problemas com usuários, o autor do aplicativo alerta, logo no início do jogo, que não é responsável por qualquer tipo de dano causado aos dispositivos. Portanto treine bastante o seu arremesso e os seus reflexos antes de se aventurar em alturas pouco exploradas.

OBS. 2: A Apple baniu o “S.M.T.H.” de sua loja “por encorajar comportamento que pode resultar em danos ao aparelho”. Ou seja, nada de iPhones voadores.

Blogs da Folha