Blog de Tec

Nada que é digital nos é estranho

 -

O blog é uma extensão da cobertura sobre tecnologia e internet publicada na Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

PlayStation 4 e Xbox One têm ótimos controles; leia impressões

Por Alexandre Orrico

Além de games com gráficos impressionantes, aumento do poder de processamento dos consoles da nova geração e jogos exclusivos para cada plataforma, outro assunto que está na ponta da língua dos visitantes da feira E3 é a evolução dos controles, tanto do Xbox One quanto do PlayStation 4.

Não sou “caixista”, como são rotulados os fãs de Xbox 360, mas sempre preferi o controle fabricado pela Microsoft. Preenche as mãos e tem gatilhos melhores do que o DualShock 3, do PS3 –a desvantagem fica por conta do direcional, horroroso para jogos de luta.

Mas a reformulação feita por Microsoft e Sony tornaram os novos joysticks tão bons que é difícil escolher um que seja melhor desta vez.

O controle do Xbox One ficou menor e ganhou analógicos mais precisos. O direcional ficou mais parecido com o modelo de cruz tradicional, semelhante ao que há no controle do Super Nintendo.

Os gatilhos agora têm motores vibratórios independentes, que proporciona um retorno tátil bem interessante quando uma arma é disparada no game, ou quando o jogador acelera ou freia um veículo.

A bateria, um calombo atrás do controle do Xbox 360 agora está instalada no interior do controle.

Não caiu no meu gosto, porém, os novos botões de ombro, LB e RB, que agora são clicáveis, como botões de mouse. Preferia o retorno macio e sem barulhos do Xbox 360.

O DualShock 4 é uma evolução e tanto quando comparado com seu antecessor. Mais pesado, ele não dá a impressão de material barato que eu tenho quando jogo PS3. Os gatilhos, tão ruins que não eram utilizados para alvejar inimigos em jogos de tiro, agora estão bem precisos e encaixam direitinho nos dedos.

O tamanho, praticamente imutável deste o DualShock original para PlayStation 1, sofreu alterações: agora o controle tem as “pernas” mais compridas, que permitem uma pegada mais firme.

Ainda tenho minhas dúvidas sobre a necessidade da área sensível ao toque, entre o direcional e os botões, e como elas vão ser usadas pelos desenvolvedores. Pelo menos ela não atrapalha a jogatina.

Ainda não sei apontar qual é o melhor (talvez depois, com mais horas de jogo com cada um deles), mas com certeza os novos joysticks são evoluções visíveis em comparação com seus respectivos antecessores.

Blogs da Folha